A PROVA DE POLÍTICA E SEGURANÇA NO CONCURSO DA ABIN 2018

A divisão do número de questões na prova da Abin deste ano foi bastante equilibrada, o que deu à nossa área, Política e Segurança, o espaço de 16 itens. A maioria desses itens podem ser considerados de dificuldade média, com algumas assertivas muito tranquilas e com duas ou três que se revelaram um pouco mais desafiadora. Estamos confiantes de que todos os que estudaram pelo nosso material tiveram um excelente desempenho e podem esperar um ótimo resultado, senão para este ano, ao menos para os próximos.

Abaixo vocês encontrarão todos os itens avaliados e comentados, conforme a ordem em que eles foram apresentados no caderno de prova que nos foi enviado. Para evitar confusões, entretanto, os itens receberam uma nova numeração (de 01 a 16). Vamos lá!


QUESTÕES DE POLÍTICA E SEGURANÇA

Acerca das concepções clássicas das relações internacionais, julgue os itens a seguir.

01. (Cespe – Abin 2018) A política externa dos Estados diz respeito a condução pacífica das relações internacionais, tendo a diplomacia como instrumento, ao passo que o recurso a medidas coercitivas e, em última instância, ao emprego da força é alheio ao repertório da política externa por ser medida excepcional e de caráter temporário.

Comentário: O item está errado, já que não se pode afirmar que o recurso a medidas coercitivas e ao emprego da força é alheio ao repertório da política externa de um Estado Nacional. Vale lembrar que a política externa é a política de Estado que define a inserção e a atuação dos Estados no sistema internacional, um ambiente anárquico (i.e. destituído de autoridade central que goze do monopólio do uso da força) em que podem ocorrer relações pacíficas, de cooperação e colaboração, e também relações conflituosas, de disputa do poder, que, no limite, podem levar ao emprego da força em um conflito armado interestatal. Há uma conexão clara entre política externa, política de defesa e política de inteligência, como fiz questão de lembrar inúmeras vezes no nosso curso.

Resposta: Errada

02. (Cespe – Abin 2018) Para a consecução de objetivos externos dos Estados, cabe, formal e legalmente, à diplomacia obter, de forma irrestrita, informações que abranjam aspectos políticos, econômicos, sociais e acontecimentos externos e que sejam consideradas indispensáveis à adequada formulação e execução da política externa.

Comentário: A assertiva está errada, pois se é verdade que, com grande frequência, os Estados recorrem a ações que têm por objetivo obter informações que abranjam todas as esferas mencionadas (política, econômica, social e internacional) com a finalidade de incrementar sua capacidade de busca pelos seus objetivos externos, também é verdade que nem todas as informações podem ser acessadas de forma legal. Como vimos em nossas aulas, há informações sigilosas (como, por exemplo, segredos militares, segredos diplomáticos e segredos industriais), que não pode ser acessadas irrestritamente.

Resposta: Errada


Com relação a dimensão da segurança na política exterior do Brasil, julgue os itens a seguir.

03. (Cespe – Abin 2018) A prioridade dada pelo Brasil aos fóruns multilaterais e aos regimes globais para tratar das principais questões de segurança do país é devida à inexistência de ameaças diretas à sua segurança provindas de seu entorno vicinal e ao fato de ser a América do Sul uma das regiões mais estáveis do planeta na incidência de conflitos interestatais.

Comentário: Embora haja um amplo espaço para discussões, acredito que esta assertiva está errada por afirmar, peremptoriamente, que não há ameaças diretas à segurança brasileira vinda do seu entorno e também por sugerir que os fóruns regionais são preteridos em benefício dos fóruns multilaterais em questões de segurança. Vale lembrar que tanto a Política Nacional de Inteligência (PNI) quanto a Estratégia Nacional de Inteligência (ENINT) incluem em suas listas de ameaças a criminalidade organizada, que tem, dentre outras atividades, grande participação no narcotráfico, problema que passa de forma decisiva pelas nossas fronteiras. Vale destacar ainda que o Brasil tem priorizado cada vez mais a UNASUL, por meio de órgãos como a Escola Sul-Americana de Defesa (ESUDE) e o Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS), incluindo assim a América do Sul e seu contexto regional de modo decisivo no tratamento de suas principais questões de segurança.

Resposta: Errada

04. (Cespe – Abin 2018) Durante a Guerra Fria, os temas de segurança estiveram virtualmente ausentes ou foram relegados a posições secundárias na agenda da política externa do Brasil, então voltada fundamentalmente para preocupações com o desenvolvimento, mas adquiriram grande relevância a partir do início do século XXI em razão do fortalecimento das ameaças de natureza e alcance globais, notadamente a proliferação de armas de destruição em massa, o terrorismo e os conflitos etno-religiosos.

Comentário: 

Resposta: Errada


Julgue os próximos itens, concernentes aos impactos das transformações que advieram do fim da Guerra Fria para as políticas e para os instrumentos de segurança dos Estados Nacionais.

05. (Cespe – Abin 2018) No período pós-Guerra Fria a natureza transnacional das novas ameaças à segurança internacional — terrorismo internacional, proliferação de armas de destruição em massa, crime organizado e narcotráfico — ensejou a cooperação entre o aparato de segurança, incluídas as agências de inteligência de países anteriormente rivais.

Comentário: 

Resposta: Certa

06. (Cespe – Abin 2018) Com o fim do confronto nos planos político-ideológico e estratégico-militar entre os Estados Unidos da América e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), os aparatos de espionagem das grandes potências ocidentais e dos países que integravam a ex-URSS atribuíram maior valor à espionagem voltada para questões econômico-comerciais, industriais e tecnológicas.

Comentário: 

Resposta: Certa

07. (Cespe – Abin 2018) A expansão e o fortalecimento do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS) se deram a partir de batalhas vitoriosas travadas no Iraque contra forças governamentais e curdas, e na Síria, contra forças leais ao governo, as quais lhe asseguraram o controle de importantes territórios e a ascensão sobre a oposição sunita naqueles dois países.

Comentário: 

Resposta: Errada


No que tange ao Oriente Médio e seu impacto nas relações internacionais bem como aos conflitos étnico-religiosos contemporâneos, julgue os itens subsequentes.

08. (Cespe – Abin 2018) O conflito na Síria, a despeito de suas motivações domésticas, envolve e reflete, em grande medida, disputas políticas e étnico-religiosas entre países do Oriente Médio que geram diferentes alinhamentos como o apoio do Irã ao governo sírio e o apoio da Arábia Saudita e do Catar aos grupos de oposição ao regime de Bashar Al-Assad.

Comentário: 

Resposta: Certa

09. (Cespe – Abin 2018)  A despeito de o conflito armado e de a escalada de violência envolverem, de um lado, milícias cristãs (Anti-Balaka) e, de outro, a coalizão de grupos rebeldes muçulmanos (Seleka), divergências de fundo religioso são causas secundárias do conflito na República Centro-Africana.

Comentário: 

Resposta: Certa

10. (Cespe – Abin 2018)  A disputa entre grupos sunitas, apoiados pela Arábia Saudita, e xiitas, apoiados pelo Irã, é elemento comum aos conflitos em curso no Iêmen do Norte e na Síria.

Comentário: 

Resposta: Errada


Julgue os itens subsecutivos, a respeito das tendências contemporâneas do narcotráfico no plano global e regional.

11. (Cespe – Abin 2018) O acordo de paz entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias Colombianas (FARC), firmado em novembro de 2016, não resultou, até o presente, na diminuição do tráfico de drogas, originado na Colômbia, que, ao contrário, expandiu-se significativamente no transcurso do processo de negociação e durante o primeiro ano de vigência do referido acordo.

Comentário: 

Resposta: Certa

12. (Cespe – Abin 2018)  A ampliação e diversificação, em escala global, do mercado de novas substâncias psicoativas sintéticas têm provocado a contração e segmentação do mercado e do tráfico de drogas tradicionais como a heroína e a cocaína, cada vez mais circunscritos às respectivas regiões produtoras.

Comentário: 

Resposta: Errada

13. (Cespe – Abin 2018) De uma perspectiva global, o perfil das organizações dedicadas ao narcotráfico vem se alterando significativamente, à medida que aumentam, em número e importância, redes horizontais, menos estruturadas e hierarquizadas e dedicadas, simultaneamente, a outras atividades ilícitas como os crimes cibernéticos e ambientais.

Comentário: 

Resposta: Errada


Com relação ao terrorismo e a segurança cibernética, julgue os itens a seguir.

14. (Cespe – Abin 2018) A Convenção de Budapeste — ou Convenção sobre Cibercrime —, negociada no âmbito da União Europeia (UE) em 2001, é, no presente, o instrumento de caráter vinculante e jurídico para a cooperação internacional voltadas para a prevenção e o comate ao crime cibernético.

Comentário: 

Resposta: Errada

15. (Cespe – Abin 2018) A despeito de os esforços de promoção da governança para a Internet privilegiarem o engajamento de atores governamentais e não governamentais, as agendas e os espaços institucionais internacionais voltados para o intercâmbio de experiências para a discussão de propostas políticas relacionadas à promoção da segurança cibernética no plano global são, no presente, de caráter eminentemente intergovernamental e de alcance regional.

Comentário: 

Resposta: Errada

16. (Cespe – Abin 2018) Os estreitos vínculos entre o hackativismo e o terrorismo cibernético representam, no presente, importante item da pauta das políticas de segurança dos países e da cooperação internacional em segurança cibernética.

Comentário: 

Resposta: Errada

Fonte: Estratégia Concursos

Conquiste sua aprovação de uma vez por todas! Supere os limites, bloqueios e dificuldades que estão te impedindo de alcançar a sonhada nomeação! Clique aqui e saiba um pouco mais!


 

Chat online