Conheça técnicas de estudo infalíveis

Vai encarar um concurso público? Veja abaixo algumas técnicas de estudo infalíveis para turbinar a sua preparação!

Você que se sente preso à mesmice de uma rotina de estudos massacrante, se sente estagnado em sua vida, já investiu energia, tempo e dinheiro em cursos e treinamentos mas percebeu que continua parado no mesmo lugar, ou ainda não sabe nem como começar a estudar, o PLANEJAMENTO DE ESTUDOS é pra você. Não perca mais tempo em tentativas ineficazes e amadoras de organizar os estudos e alcançar a nomeação. Você pode não saber, mas os melhores e bem sucedidos concurseiros que conheço não alcançaram uma vida abundante e plena por acaso. Eles aplicaram ferramentas e estratégias para alcançar seus objetivos. Supere de uma vez por todas o que está te impedindo de subir para o próximo nível e assuma as rédeas dos seus estudos e da sua vida.


 

Mapa mental

Nada mais é do que um diagrama composto por palavras, ícones e flechas. A principal vantagem de elaborar esses esquemas é a possibilidade de criar uma ordem lógica entre as informações, com destaque para interconexões e relações de hierarquia.

Imagine que você está estudando ligações químicas por meio de um mapa mental, e uma das flechas aponta para a expressão “ponte de hidrogênio”. A organização visual das informações ajuda a fixar o fato de que, quando se fala em ponte de hidrogênio, o que se discute são ligações químicas.

Resumo

Ler atentamente é um passo obrigatório em qualquer preparação, mas o estudo não pode terminar por aí. Também é fundamental reorganizar as informações lidas com as suas próprias palavras.

Uma forma de fazer isso é elaborar fichamentos, isto é, sínteses esquemáticas de cada texto. A ideia é elaborar um índice das suas leituras de acordo com a sistematização já elaborada no mapa mental, descrito no item anterior.

Outra possibilidade é redigir um resumo, isto é, reescrever com as suas próprias palavras o conteúdo estudado. Pode ser um texto corrido ou por tópicos: o importante é traduzir as ideias para a sua linguagem, incluindo suas interpretações e comentários sobre o tema.

Tabelas

Representar informações no formato de quadros é uma boa opção para fixar conteúdos que têm uma determinada sistemática bastante específica por trás.

Imagine que você está estudando Direito penal, por exemplo. Experimente elaborar uma tabela em que haja colunas dedicadas ao que tipifica cada crime, qual é o tamanho da pena e qual é o prazo de resposta para cada tribunal, entre outras informações.

Na primeira vez, desenhe o quadro consultando livros e apostilas. Depois de algumas cópias, tente reconstruí-lo de memória. Esse procedimento é uma excelente forma de gravar os conteúdos sem perder de vista as interconexões entre eles.

Gravações de áudio

Nem todo mundo tem facilidade para se lembrar do que viu: muita gente fixa melhor aquilo que escutou. Se esse é o seu caso, tente estudar com a ajuda de um celular ou gravador.

Grave a sua própria exposição oral sobre o tema, como se você fosse um professor. Falar, por si só, já é uma excelente forma de se apropriar de uma ideia. Ouvir depois as suas próprias “aulas” várias vezes é melhor ainda.

Também é interessante escutar podcasts e aulas online sobre o assunto. Para quem tem pouco tempo, vale aproveitar os deslocamentos entre a casa e o trabalho para ouvir os áudios.

Táticas mneumônicas

Todo mundo já teve um professor do ensino médio que cantava músicas ou elaborava frases engraçadas para facilitar a memorização da tabela periódica. Técnicas mneumônicas, isto é, que facilitam a fixação de palavras ou expressões, são usadas desde a Antiguidade e podem ser uma mão na roda diante de assuntos que simplesmente precisam ser decorados.

Uma opção é o acróstico, uma frase formada por palavras cuja primeira letra é a dica para o que precisa ser lembrado. Se você quer gravar, por exemplo, os nomes dos bairros paulistanos Mooca, Penha, Belém e Carrão, por exemplo, pode usar a frase “Meu Pai Bebe Café”. Outro instrumento é o acrônimo, uma palavra formada por letras que representam outras palavras, como CHA (Conhecimento, Habilidade e Atitude). É uma opção interessante para gravar nomes ou números de leis, por exemplo.

Simulações cronometradas

Colocar os seus conhecimentos à prova é uma etapa indesviável na preparação para qualquer exame. No caso de um concurso público, por exemplo, é preciso recuperar provas de anos anteriores e resolvê-las com o cronômetro ao lado.

Quanto mais você se familiarizar com as condições da prova, inclusive a duração dela, maiores as suas chances de aprovação. Os simulados também são essenciais para se acostumar ao estilo das questões.

 

Com informações do portal Exame / Aprova Concursos

Deixe uma resposta