>> Garanta seu Planejamento de Estudos clicando aqui <<



Após reunião realizada com a presidência do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) na última terça-feira (25), a Fenasps (Federação Nacional de Sindicatos de Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social) decidiu recorrer ao TCU (Tribunal de Contas da União) para tentar viabilizar o novo concurso, que, de acordo com o presidente do INSS, Edison Garcia, segue em caráter de urgência nas pautas da presidência. Entretanto, apesar da boa vontade por parte do órgão, a abertura do certame ainda depende de autorização governamental.

Só nos últimos dois meses, o protocolo para abertura de 10.468 vagas sofreu mais de 30 movimentações dentro do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG), o que indica que, após um longo período sem avanços, a solicitação vem sendo considerada pelo Governo Federal e o aval pode sair em breve.

Em um ofício publicado no dia 23 de setembro, e em resposta às diversas cobranças vindas da Fenasps, o MPDG informou quais critérios estão sendo levados em conta na análise sobre a viabilidade do concurso. A publicação dá a entender que, na visão do governo, o INSS necessita mais que os demais órgãos e, portanto, deve ter seu pedido priorizado.

O que também pode estar pesando na análise do MPDG é o fato de o último concurso do INSS ter tido sua validade encerrada no dia 5 de agosto, deixando o órgão sem ter como suprir uma defasagem de servidores que já atinge 16 mil postos vagos. Além disso, 55% do atual quadro de pessoal, o que representa quase 20 mil profissionais, já está em condições de se aposentar.

Segundo nota da Fenasps, “o INSS no contexto atual vem passando por um verdadeiro caos, principalmente em virtude da insuficiência de servidores”.

Pedido do vagas

Do total de postos requeridos, 6.034 são para técnico do seguro social, 2.222 para analista do seguro social e 2.212 para perito médico previdenciário.

Segundo o INSS, o documento enviado ao MPDG serve para reforçar “a urgência na recomposição continuada do quadro permanente de pessoal do Instituto Nacional do Seguro Social. mediante a ampliação do número de vagas do concurso público autorizado – em 2015 -, e, posteriormente, a autorização para realização de novo concurso público”.

No novo pedido não há separação de vagas para convocação de remanescentes e para realização de novos concursos. Já na solicitação anterior, isto estava definido da seguinte forma: 7.580 vagas para a abertura de novo concurso, 2.644 para os excedentes da seleção vigente (2.114 para técnico e 530 para analista) e 6.324 que poderiam ser tanto para o atual processo seletivo quanto para o novo certame (6.160 para técnico e 164 para analista).


Sobre os cargos

Para ser técnico do seguro social é preciso apenas ter concluído o ensino médio. A remuneração inerente à carreira é de R$ 5.344,87.

Com salário de R$ 7.954,09, o cargo de analista do seguro social requer nível superior completo em cursos que dependem das áreas de atuação envolvidas no concurso (serviço social, administração, engenharia, direito, pedagogia, psicologia, comunicação, ciências sociais, arquitetura e letras, entre outras).

Por fim, a função de perito médico previdenciário é destinada àqueles que concluíram o curso superior em medicina e possuem registro no CRM (Conselho Regional de Medicina). Os vencimentos, neste caso, são de R$ 8.988,41.

Concurso anterior

Na última seleção realizada pelo INSS, em 2016, foram oferecidas 950 vagas, sendo 800 para técnico e 150 para analista (serviço social). Organizado pelo Cespe/UnB, o concurso foi um dos mais concorridos da história, com nada menos que 1.087.789 inscritos, o que gerou uma concorrência média de 1.145 candidatos por vaga.

As oportunidades estavam distribuídas entre os estados do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rondônia, Roraima, São Paulo, Sergipe, Tocantins, e no Distrito Federal.

Para as vagas de técnico do seguro social, as disciplinas envolvidas foram: ética no serviço público, regime jurídico único, noções de direito constitucional, noções de direito administrativo, língua portuguesa, raciocínio lógico, noções de informática e seguridade social.

Já para os cargos de nível superior foram cobradas questões de língua portuguesa, raciocínio lógico, noções de informática, direito constitucional, direito administrativo, legislação previdenciária, legislação da assistência social do trabalhador e da pessoa com deficiência e serviço social.

Confira mais detalhes no edital do último concurso do INSS.

Fonte: Alerta Concursos

Chat online